6 FOTÓGRAFAS BRASILEIRAS E POÉTICAS PARA ACOMPANHAR

Elas inspiram com imagens que criam poesias. Seja por uma linha de críticas sociais e de detalhes do cotidiano ou por uma vertente que pode ajudar quem deseja fotografar sozinho(a) em casa, o olhar artístico dessas fotógrafas capta a força que nasce apenas através da vulnerabilidade. Brasileiras e artísticas, elas misturam efeitos ou realidades com efeito nenhum para passar firmes mensagens.

O que é a arte? O que é artístico? São duas perguntas que, a princípio, soam simples, mas que misturam complexidades em entendimentos relativos. Elas possuem diversas respostas e, muito provavelmente, todas estarão certas: afinal, arte é subjetiva.

Mas existem aspectos que levam a um entendimento básico sobre o que é algo artístico. O poético, por exemplo, que traz metáforas em imagens, palavras ou outros formatos, pode ser um dos rumos que ajudam a compreender quando algo sai do literal e, assim, traz um conceito artístico.

No universo fotográfico, há quem prefira fotografar em preto em branco, quem goste mais do colorido, do minimalista ou do comercial. Há quem é especialista em fotografia de casamentos ou quem fotografe festivais. É um ramo que há espaço para todos os tipos de gostos e estilos.

Imagem relacionada

Porém, a fotografia é um meio que também sofre problemas com machismo e misoginia (tanto com fotógrafas quanto com modelos), além de racismo e LGBTfobia.

Pensando em valorizar mais o espaço feminino na profissão e em mostrar a força da sensibilidade poética que critica tais preconceitos (e muitos outros), o NÃO ÓBVIO preparou uma lista de 6 fotógrafas brasileiras para acompanhar.

Seja pelo Instagram ou pelo Facebook, essas profissionais que tendem para uma vertente mais poética e artística, transbordam as problemáticas sociais do universo contemporâneo e podem inspirar qualquer pessoa a testarem também cliques com novos olhares para os próprios perfis. Confira:

1. Paula Lavrador | @olhoslivres

“A experiência de se deixar ver com 𝙤𝙡𝙝𝙤𝙨 𝙡𝙞𝙫𝙧𝙚𝙨”. É assim que a fotógrafa Paula Lavrador se descreve em seu perfil no Instagram. Com 25 anos e trabalhando profissionalmente há 3, suas fotos impressionam pela força e simplicidade que possuem.

Estudante de Psicologia na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), começou a fotografar para tentar encarar a si mesma e ao mundo com olhos diferentes. Acredita na arte como potencial revolucionário em diversos aspectos e áreas.

Suas fotos possuem foco em mulheres: de diversas etnias e diversos corpos. Inclusive, já fotografou a atriz Júlia Konrad.

Em seu site, Paula diz que seu trabalho procura trazer o auto-conhecimento e como o olhar sobre a autoimagem pode ser transformado. Como a maioria dos fotógrafos, suas fotos falam muito sobre si, a bagagem que carrega e sobre a pessoa fotografada.

☌ É possível encontrar mais informações sobre a fotógrafa e conferir seu portfólio completo no seu site oficial.

2. Danielle Alvarin | @quazar_

Danielle Alvarin cria poesias que surgem para além do registro de um momento. De Sumaré, interior de São Paulo, com 23 anos, a fotógrafa gosta de inovar. Suas metáforas imagéticas são feitas através de processos de edição ou com itens que servem como analogias para detalhes que seriam aparentes de outras formas no âmbito literal.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Em algumas de suas fotos, é possível ver momentos fantasiosos, mas que não deixam de simbolizar a realidade; em outros, a inspiração é a arte renascentista.

Alvarin fotografa há cinco anos e há três decidiu se dedicar à Fine Art. O conceito é sobre a fotografia que é produzida pelo impulso artístico, sem se preocupar em ser documental ou comercial.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A fotógrafa posta constantemente sobre seu processo de edição, comparando o antes e o depois de cada trabalho.

☌ Para mais informações, acesse o site dela aqui.

A fotógrafa Bárbara Adline (@badlinefotografia) segue estilos de captação e edição em linhas semelhantes às de Danielle e fica como mais uma indicação.

Os cliques poéticos de Bárbara, porém, costumam vir com menos efeitos, se atendo mais aos detalhes realísticos para criar metáforas, ainda que, em algumas imagens, utilize também das edições mais pesadas e fantasiosas.

Outra indicação que também segue a linha de efeitos como ponto metafórico é Joana del Gáudio (@backtopastphoto).

3. Sam Ortega | @derra.mar

A paulista Sam Ortega mistura poesias escritas e imagéticas a cada nova postagem no Instagram. A artista brinca com sombras e luzes, reflexos, flores e itens como quebra-cabeças (vide uma das imagens da abertura desta matéria) para criar metáforas em seus cliques.

Apesar de fotografar diferentes pessoas, sejam homens ou mulheres, a fotógrafa costuma também criar poesias em si mesma. Fazendo fotos em que utiliza o próprio rosto ou o próprio corpo, ela deixa diversas inspirações possíveis para aqueles que não têm o suporte de alguém, mas desejam fazer fotos repletas de mensagens, ainda que apenas dentro de casa.

Aproveitando a cama, os espelhos e utilizando objetos que podem ser fáceis de encontrar em qualquer moradia, a artista passa suas críticas sobre a fortaleza que existe nas vulnerabilidades, sobre os ganhos das perdas e sobre tantas outras mensagens, que chega a destrinchar, por vezes, também nas legendas poéticas e repletas de versos.
Além de escrever e fotografar, Sam também desenha e, por vezes, posta algumas das suas ilustrações poéticas. Colagens repletas de metáforas também não ficam de fora do perfil e a fotógrafa aproveita para indicar outras mulheres do cenário artístico ao postar as colagens feitas por elas.

☌ Sam também atualiza um projeto fotográfico sobre abusos em seus variados graus e formas. A fotógrafa produz imagens poéticas que refletem as dores das vítimas e as problemáticas sociais do machismo, sendo inspitada por histórias reais de pessoas em busca da cura. Nas legendas, mais poesias que visam dar suportes. É possível conferir o projeto no perfil @projetointocavel.

Existe, ainda, um outro @ da artista, o @defluvio, no qual posta mais das suas ilustrações e poemas em inglês.

Veja também dicas para tirar fotos criativas dentro de casa na postagem do blog Sem Quases, extensão do NÃO ÓBVIO.

4. Milena Palladino | @milenapalladino_fotografia

Milena Palladino tem 35 anos e é de Poções, cidade do sudoeste baiano, mas mora atualmente em Salvador. Trabalha com fotografia desde 2007. Formada em Jornalismo pela UNIME e cursando Artes Plásticas na UFBA (Universidade Federal da Bahia), ela começou a fotografar durante a graduação.

Um fotógrafo, amigo de seu pai, lhe emprestou uma câmera e a partir daí, ela desenvolveu ensaios e cobriu eventos.

Atualmente desenvolve mais um trabalho voltado para a área cultural, trabalhando com cinema, teatro e eventos culturais. Há 5 anos ela lançou o livro Sobretons, um livro de fotografias com poesias curtas, no estilo haicai. As fotos presentes são de natureza.

Milena desenvolve também trabalho de artes plásticas, com infogravuras (colagens digitais). Ela utiliza fotografias de passarinhos, desenha elas em pontilhado e transforma em colagens com imagens da folha costela de Adão. Sua intenção é misturar suas duas paixões.

☌ É possível conferir o trabalho de infogravuras de Milena Palladino no Instagram @pesnochaocoracaonamao.

5. Gabriela Isaías | @gabrielaisaias

Gabriela Isaías tem 25 anos e se considera uma contadora de histórias. Natural do Rio de Janeiro e formada em Jornalismo pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a fotógrafa gosta de estimular a imaginação de quem acompanha seu trabalho.

Militante do movimento negro, seu trabalho reflete muito sobre sua trajetória. Ele propõe uma reflexão sobre como foi possível uma mulher negra estivesse viva para documentar histórias.

Fotografando mais ensaios e tendo como foco mulheres, Gabriela também trabalha com fotojornalismo. Ela possui um projeto chamado Nesse Canto do Mundo, que foi seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso). É uma reportagem digital que aborda a relação entre mulheres negras cariocas com penteados trançados.

Seus ensaios com mulheres possuem a proposta de trabalhar com o natural, fugindo do posado.

☌ É possível conferir o portfólio de Gabriela Isaías no site da artista.

6. Eline Luz Fotografia | Eline Luz – Fotografia

Eline Luz é formada em Comunicação pela UESC (Universidade Estadual de Santa Cruz). Itabunense, no início da carreira trabalhava mais com fotografia comercial, com casamentos, eventos e ensaios. Está no ramo há dez anos. Também trabalhou com pesquisa sobre fotografia: seu foco era em gênero e como a área pode ser um instrumento de construção de memória na vida das mulheres.

Seu foco agora é cobertura fotográfica em festivais de música. Em alguns festivais, ministrou oficinas sobre fotografia.  Atualmente, Eline mora em Vitória da Conquista e cobre os festivais da região.

Ela participou como fotógrafa do livro Profundanças – Antologia Poética e Fotográfica. O projeto é organizado pela poeta Daniela Galdino e está em produção de sua terceira edição. Eline fotografou Daniela para o livro.

☌ Para mais informações do portfólio da artista, basta acessar o Flickr e o site da profissional.

7. EXTRAS

Além dos perfis indicados nas fotos acima (clique no @ para visualizar o IG completo), mais alguns que trazem trabalhos artísticos de fotógrafas brasileiras são: @chgz.raw, @carinasilvafotografias, @ariellefrioza, @begrafando, @foco.camicrua, @shotbybell, @lar.da.lily e @marinautrabofotografia.

Resultado de imagem para gif computer illustration

Esta lista foi produzida em conjunto com Vanessa Brunt (@vanessabrunt), editora-chefe do NÃO ÓBVIO.

Autor: Catarina Barbosa • @catarinapbarbosa

Catarina Barbosa é jornalista e fotógrafa. Baiana, atualmente mora em São Paulo. Amante de café, nerd assumida e apaixonada por viagens, sonha em sempre ter uma mochila nas costas para desbravar o mundo.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR: